SELECCIONE O SEU IDIOMA: pt pt en

Reditus/Redware – Agilidade operacional

A aposta na agilidade operacional e no cross-selling tem gerado excelentes resultados no grupo português Reditus, nomeadamente, na sua participada Redware.

Aposta positiva

Os proveitos operacionais do Grupo Reditus aumentaram 32,5% no primeiro trimestre de 2005 em relação ao período homólogo de 2004. A estes proveitos, de 5,257 milhões de euros, correspondem um EBITDA de 397 mil euros e um resultado líquido de 731 mil euros.

Já em 2004, os proveitos operacionais atingiram 19 milhões de euros, mais 41% que em 2003, correspondendo a um EBITDA de 1,7 milhões de euros. A empresa Redware, participada do Grupo Reditus, contribuiu de forma significativa para este aumento, com proveitos de 5,8 milhões de euros, o que representou um aumento superior a 68% relativamente a 2003. Os resultados de 2005 são também fortemente marcados pela boa performance da Redware, para além da unidade de “Go to Market”.

Com uma atuação focalizada no mercado de business process outsourcing (BPO) e recursos especializados, a Redware desenvolve um conjunto alargado de serviços integrados na área das tecnologias de informação. Uma aposta que se tem revelado positiva tendo em conta que o mercado de BPO em Portugal cresce a uma taxa de 6% a 10% ao ano, o que representa atualmente cerca de 100 milhões de euros em termos de volume de negócios.

Mais-valias

Esta é uma das áreas de mais rápido crescimento relativamente aos serviços tecnológicos. Segundo Miguel Ferreira, administrador da Reditus, o crescimento advém de dois fatores: a necessidade de redução de custos operacionais que as empresas sentem e, por outro lado, uma maior eficiência operacional e melhoria dos níveis de serviço. “Tudo isto permitindo ao cliente concentrar-se nas fases da sua cadeia de valor que mais contribuem para o seu negócio”, sublinha.

As mais-valias da Redware são, na sua opinião, o retorno de experiência de fazer BPO em várias atividades económicas há vários anos, o que beneficia os clientes pelo saber fazer e pela rapidez com que se colocam a funcionar “operativas externalizadas”. Por outro lado, Miguel Ferreira aponta a flexibilidade como fator distintivo. “Somos capazes de adaptar a nossa prática e intervenção no cliente de forma a que a introdução do outsourcing decorra de forma eficaz, trazendo os benefícios esperados mais cedo sem colidir com a cultura de empresa dos nossos clientes”.

É com esta filosofia que a Redware pretende liderar de forma qualitativa o mercado de BPO e PSO (outsourcing de serviços de processamento) em Portugal e expandir-se para o exterior, seguindo os seus clientes nos países em que estes operam, permitindo desta forma adquirir uma dimensão internacional na atividade desenvolvida.

Consolidação implica estruturação

Internamente, a agilização operacional e a sistematização do conhecimento dentro da própria empresa, bem como a dificuldade em reter o conhecimento que se adquire com os novos projetos, foram, a certa altura, necessidades prementes cuja apreciação conduziu a um trabalho desenvolvido pela Leadership Business Consulting. 

Um contributo que, segundo a própria Redware, se revelou fundamental, ao qual acresce a consolidação da estratégia de desenvolvimento da atividade através do benchmarking realizado noutros países.

Os objetivos do projeto foram a estruturação e consolidação operacional da Redware, consubstanciada na procedimentação da sua atividade, na clarificação da estrutura orgânica e responsabilidades por função e na definição do modelo de monitorização da atividade, tendo ainda em conta a definição de linhas de orientação estratégica para o negócio.

 

Artigos relacionados

 

Dados empresariais – potencie o seu valor

A quantidade de dados de que as organizações dispõem é demasiado importante para não ser tratada ou, simplesmente, ser analisada por curiosos.

 

A sua organização está preparada para a Indústria 4.0?

Empresas de todos os setores no globo estão a adotar a Indústria 4.0. Já não se trata de “temos tempo, é uma tendência de futuro” – a também denominada Quarta Revolução Industrial está aí. É uma realidade. 

 

Paolo Cerruti: Na Indústria 4.0 o valor fornecido é muito mais alto que o custo

Paolo Cerruti – que até ao início de 2016 era vice-presidente da cadeia de fornecimento global da americana Tesla, bem como vice-presidente do planeamento de operações da companhia liderada por Elon Musk – afirma que, numa primeira fase da adoção da Indústria 4.0, os custos “podem ser um elemento dissuasivo”; mas adianta que as empresas têm de “avaliar a cadeia no todo e os custos totais”.


In Leadership Agenda N.º 1 (publicação que tem por objetivo divulgar metodologias e novas ideias nas áreas da gestão e da liderança, tendo por base o centro de competência e o conhecimento adquirido pela Leadership Business Consulting em mais de 900 projetos realizados em oito países nas áreas da estratégia, marketing e finanças, organização e gestão da mudança, operações e performance, desenvolvimento de talento, formação ou tecnologias de informação).