SELECIONE O SEU IDIOMA: pt pt en

Melhoria nas TI de um programa de apoio a doentes em Moçambique

World Food Program: Lutar contra a fome em termos mundiais
A Leadership Business Consulting procedeu à avaliação das vertentes de processo e componentes de TI (tecnologias de informação) do projeto-piloto “Cesta Básica”, em Moçambique, para o WFP - World Food Program (Programa Mundial de Alimentação, entidade das Nações Unidas de luta contra a fome e pobreza).

Avaliação 

O projeto Cesta Básica foi implementado pelo Ministério da Saúde (MISAU) de Moçambique no final de 2009 para apoiar as pessoas com VIH/SIDA e em terapia antirretroviral (TARV), bem como pacientes de tuberculose, com uma cesta básica de alimentos através de vouchers. O grande objetivo era apoiar os pacientes com necessidades nutricionais, melhorando a sua saúde. Numa primeira fase em papel, os vouchers passaram a ter também uma componente eletrónica (o MISAU aprovou que o WFP testasse uma modalidade de vouchers eletrónicos, ou e-vouchers, com base em cartões de débito).

Cerca de três anos depois a Leadership Business Consulting (LBC) analisou a evolução do projeto-piloto. No sentido de avaliar de modo adequado as componentes de TI do programa Cesta Básica, o foco da LBC não se limitou à tecnologia em si, teve também em conta os stakeholders (partes interessadas) que a usam, bem como os processos que garantem o funcionamento adequado do modelo. Ou seja, fez uma análise integrada das três dimensões: stakeholders, processos e tecnologia. O principal objetivo consistiu em fornecer uma avaliação precisa dos projetos-piloto de e-voucher e do cartão de débito na ótica das TI, permitindo a expansão da implementação da Cesta Básica. E, dado que o projeto iria transitar do MISAU para o Ministério da Mulher e Acção Social (MMAS), a avaliação forneceu ainda informação para apoiar o processo de transferência para o MMAS (e o seu parceiro na implementação, o Instituto Nacional da Acção Social de Moçambique).

Melhoria imediata

Com base na informação recolhida nas visitas de campo, nos documentos fornecidos, nas reuniões e sessões realizadas com stakeholders, e tendo em conta que era expetável a expansão da Cesta Básica a outros distritos de Moçambique, foi identificada a possibilidade de uma melhoria imediata em termos tecnológicos (USSD/SMS), mais viável tendo em conta o contexto do país (devido à instabilidade ou inexistência de ligação à internet via telemóvel). E foram feitas recomendações para uma evolução tecnológica gradual e planeada, como a eliminação do suporte em papel dos vouchers, para apenas e-vouchers, com uma consequente melhoria nos processos.
 

Artigos relacionados

 

Dulce Chilundo: As instituições não têm direções ou departamentos de TIC

A líder do moçambicano INTIC refere que a área das tecnologias de informação e comunicação (TIC) “devia ser encarada como prioritária no processo de planificação em toda a administração pública” do país africano. 

 

Dinheiro físico ou digital?

O dinheiro físico tem um papel cada vez menos importante na sociedade. O que não deixa de ser uma boa notícia para os consumidores – o aumento dos pagamentos móveis e eletrónicos significa compras mais rápidas, convenientes e mais eficientes na maioria dos casos. 

 

Quatro princípios para liderar na Indústria 4.0

Estão os Estados preparados para a Quarta Revolução Industrial, e tudo o que a mesma implica, como as novas e poderosas combinações da tecnologia digital com as áreas biológica e física?